Compartilhe

Devemos começar a tratar nossos funcionários como adultos

23/09/21 - 2 minutos de leitura

No livro HR Disrupted, Lucy Adams traz a seguinte frase: “devemos começar a tratar nossos funcionários como adultos, consumidores e seres humanos.”

Mas afinal, o que significa tratar adultos como adultos? 

Existem várias dimensões acerca deste tema e para fazer esta reflexão, vou seguir em linha com o conceito da aprendizagem, que está absolutamente conectado com a agilidade e cuidado com as pessoas. 

Estimular a autonomia, responsabilidade e aprendizagem são caminhos para a organização que quer que adultos ajam como adultos. Para isso, é preciso tratá-los como tal, ou seja, proporcionar um ambiente e condições para que possam fazer suas escolhas, principalmente acerca de seu desenvolvimento.  

Como líderes, devemos criar condições para que a aprendizagem aconteça por meio de um ambiente de confiança e transparência entre as pessoas. 

Se em uma equipe o que predomina são o medo e a punição sobre os erros cometidos, não estamos facilitando o caminho para a reflexão e os aprendizados sobre estes erros. Nem estamos criando um ambiente propício ao desenvolvimento de pessoas, com confiança necessária para que essas pessoas se permitam experimentar, aprender, errar, reaprender e assim por diante.

Nossa aprendizagem é ativa e dinâmica!

Ninguém aprende algo se assim não quiser, sem dedicar atenção, interesse, vontade e sentimento. A forma como fomos educados, na educação tradicional, onde nos colocaram num lugar para absorver conteúdo de forma passiva, nos fez acreditar que somos ensinados.

Porém, nosso corpo e cérebro precisam se mobilizar para que a gente consiga acessar o conhecimento e refletir para agir. E essa mobilização interfere no processo de retenção de informação, porque é necessária motivação para aprender. 

Ser humano adulto só muda se reconhecer o benefício.

A importância da aprendizagem ativa

Nossa crença de que precisamos ser ensinados, ou até mesmo comandados, está associada à infantilização. Fomos ensinados numa educação tradicional, que não respeita sequer nossas necessidades fisiológicas.

Passamos por anos recebendo somente conteúdos prontos, para depois entrarmos num processo de repetição porque aprendemos que este é o “certo”. 

O ideal é criar condições para que a aprendizagem aconteça pelas próprias escolhas e interesses, sem estimular competição, individualismo, medo ou atritos sem razão de ser. “Pesar menos a mão” em situações que devem prevalecer o equilíbrio, inteligência emocional e harmonia.

Cuidar de pessoas sob o olhar de construção de relações mais saudáveis e empáticas, com comunicação simples, direta e honesta. 

Antes de ensinar, é preciso ter consciência da própria ignorância e reconhecer que não sabemos tudo. Precisamos envolver as pessoas no processo, sair do modelo de comando e controle ineficaz e passar a assumir uma postura de empatia, com estratégias de desenvolvimento de pessoas simples e claras.

Deixar que as pessoas façam as escolhas sobre suas jornadas de aprendizagem é o primeiro passo para tratar adultos como adultos. A seguir, confira nossa lista com 8 passos que auxiliam nesse processo de emancipação do indivíduo enquanto adulto:

1. Aprender com os erros

2. Enfrentar os próprios problemas, sem vitimismo

3. Nutrir consciência sobre suas escolhas e suas consequências 

4. Compreender e respeitar como cada um prefere aprender 

5. Adquirir segurança para investir em iniciativas que não dependam da vontade de outrem

6. Estabelecer objetivos claros e trabalhar para alcançá-los

7. Informar-se antes de opinar  

8. Sair de sua zona de conforto, sempre! 

Sim, precisamos criar uma cultura e um ambiente que favoreçam a aprendizagem e a ação madura das pessoas.

Precisamos tratar adultos como adultos. Incentivar a autonomia e deixar que profissionais tomem decisões sem microgerenciamento e controles desnecessários.

Acreditar no potencial do outro e valorizar as conquistas é um caminho saudável para ajudarmos a aflorar a melhor versão da outra pessoa. 

Compartilhe

Escrito por

Karen Monterlei

Agile Expert e Trainer na K21


Agile Expert e Trainer na K21, atua em melhoria contínua com os mais diversos métodos há mais de 20 anos, em empresas nacionais e multinacionais, antes como Executiva. Possui Especialização em Economia e Gestão Empresarial pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e graduação em Gestão de Recursos Humanos. Certificada em Cultural Transformation Tools Practitioner® Training pelo Barrett Values Centre - CTT Tools Practitioner, Coach com formação internacional pela SLAC Coaching - Sociedade Latino Americana de Coaching®, Analista DISC Profiler pela e-Talent e SLAC Coaching. Green Belt pela Seta Desenvolvimento Gerencial, CSM - Certified ScrumMaster pela Scrum Alliance®, Kanban Management Professional pela Kanban University.
Esta postagem se encontra sob a licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Artigos relacionados

A importância da inteligência emocional em uma liderança ágil
19/10/21
4 minutos de leitura
Benefícios da cultura de feedback e como fomentá-la
05/10/21
5 minutos de leitura
Case: De Gerente de Operações a Liderança Estratégica na Veloe
27/09/21
8 minutos de leitura
Case: Lideranças transformadas no RH da Alelo
16/09/21
4 minutos de leitura

    Receba mais conteúdos K21

    Deixe seu nome e email que nós te deixamos por dentro de tudo que rola por aqui.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.