Compartilhe

Promoção de cargo, uma das maiores covardias corporativas! Entenda

12/10/22 - 3 minutos de leitura

Bem antes que seja julgado pelo título, é importante contextualizar. Dada a minha experiência de mais de 15 anos como HeadHunter, professor de MBA de Gente e Gestão, e Trainer de RH Ágil, me permitam afirmar que a maioria das vezes em que temos uma promoção de cargo é seguido um determinado padrão:  

As organizações normalmente promovem performance, realizações, feitos e façanhas que são individuais.

Segundo o levantamento de 2019 da consultoria de recrutamento Michael Page, 8 em cada 10 profissionais pediram demissão por causa do chefe. Já, em 2022, uma pesquisa com 7 mil pessoas realizada nos EUA pela Gallup afirma que metade dos funcionários pede demissão por conta do chefe.

São imensas as pesquisas e as estatísticas que provam que a maior causa de turnover não está relacionada a baixos salários ou falta de desafios. Embora isso seja o que comumente os RHs costumam culpar, o real motivo apontado nos estudos é: uma liderança extremamente mal preparada.

Entendam que usei  mal preparada em vez do costumeiro termo liderança despreparada. Não vou “passar pano” nos chefes despreparados, mas gostaria de colocar uma luz em uma das principais causas raízes (agora, estou falando de empirismo e observações minhas).

Como é que o RH através das suas políticas ultrapassadas de promoção de cargo e reconhecimento de funcionários habitualmente atuam:

Por norma, promovemos o indivíduo. Reconhecemos basicamente as ações individuais, assim como as suas conquistas. Ou seja, premiamos aqueles lobos solitários que, a qualquer custo (sim exagerei um pouco), ganham as suas corridas corporativas. Usamos milhões de métricas/KPIs olhando unicamente para performance. Isso se dá em vez de olharmos para os comportamentos desejados pela organização.

E quais as consequências de uma promoção de cargo?

Com estes objetivos impostos, criamos e incentivamos comportamentos tóxicos. Diga-me como você, RH, está me medindo e eu, funcionário, te digo como irei me comportar!

Claramente, ao realizar uma promoção de cargo, estamos promovendo toxicidade (ou comportamentos tóxicos). Isso em vez de construirmos líderes confiáveis e admirados.

Quer saber como comprovar?

Te desafio a perguntar a qualquer funcionário de nivel operacional: “Quem é o idiota?” (para não usar outras palavras de baixo calão). Majoritariamente, a resposta será: MEU CHEFE.

Mas onde está a covardia?

Entenda por que promoção de cargo é uma covardia sem uma devida preparação dos funcionários
Entenda por que promoção de cargo é uma covardia

Pois, bem! Ao longo dos anos, este mesmo líder podia errar, ter dúvidas e até mesmo não saber executar uma determinada tarefa. Afinal, ele não era chefe de absolutamente nada. Mas isso mudou do dia para a noite.

A mudança aconteceu simplesmente por ele ter sido um bom analista e ter alcançado suas métricas. Seguindo seu PDI (plano de desenvolvimento INDIVIDUAL, escrito por algum futurologista do RH), ele dormiu analista e acordou chefe.

A partir deste dia, o mesmo perdeu magicamente todo o direito de ter dúvidas, de não saber executar uma determinada tarefa ou minimamente poder perguntar a opinião de um terceiro. Afinal, agora ele é chefe.

Como podemos esperar que uma pessoa que sempre trabalhou com métricas e incentivos individuais (bônus, MBA pago pela empresa, direito a uma mesa maior…) consiga milagrosamente, com pouco ou nenhum incentivo ou preparação, olhar para um time e ser responsável pelo desenvolvimento de toda uma área se ele nunca foi treinado, capacitado e incentivado a fazer isso antes?

Ou, pior… O mesmo foi escolhido pela organização, segundo as políticas e a cultura, justamente por NÃO trabalhar coletivamente, possivelmente puxando um tapete ou, simplesmente, “correndo mais rápido que a sua equipe''. E agora ele tem que ser um líder servidor admirado.

Agora, sim, posso afirmar que estamos cometendo uma mega covardia! 

Bora, RH!

Vamos para de nos esconder atrás de normas e políticas que em algum lugar do passado fizeram sentido!

Nós podemos assumir a verdadeira responsabilidade da nossa área, que é basicamente criar ambientes colaborativos onde as pessoas possam constantemente aprender e ensinar, combatendo normas e procedimentos que induzam a comportamentos tóxicos. Basta de covardia!

Por isso, eu convido você a posicionar o RH, uma área essencial em qualquer transformação organizacional, de uma forma mais estratégica e inovadora. Aceita este convite?

Compartilhe

Escrito por

Andre Bocater

Agile Expert e Trainer na K21


Andre Bocater Szeneszi é sócio na K21 e co-fundador da startup WBrain Agile People. Com uma longa trajetória empreendedora e também como HeadHunter, Andre é apaixonado por Pessoas e Cultura Ágil. Formou-se em Administração pela PUC-Rio e possui diversas especializações em Business, como: especialização em Finanças pela Pontifícia Universidad Católica de Buenos Aires, Gerenciamento Estratégico pela Universidad de Belgrano e Strategic Planning & Decision Making pela Berkeley. Atuou como professor da Pós-Administração da Fundação Getulio Vargas durante muitos anos e também ministra treinamentos de Cultura Ágil no Brasil, América Latina, Estados Unidos e Europa. É colunista da Revista Human em Portugal.
Esta postagem se encontra sob a licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Artigos relacionados

A carreira de um C-Level: Como se posicionar ou prospectar uma mudança de posição?
28/02/22
4 minutos de leitura
RH Ágil Summit 2021: empatia e conexão para gerar transformações
07/12/21
8 minutos de leitura
Quero mudar de área: como fazer transição de carreira
25/10/21
6 minutos de leitura
Case: Lideranças transformadas no RH da Alelo
16/09/21
4 minutos de leitura

    Receba mais conteúdos K21

    Deixe seu nome e email que nós te deixamos por dentro de tudo que rola por aqui.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.